maio 27, 2009

Na qualidade de cidadãos desta cidade, estudantes, trabalhadores(as), contribuintes e eleitores(as), nos apresentamos publicamente para denunciar a ação criminosa e ilegal de grupos que ameaçam a segurança pública e expõe a grande risco nossa integridade, atentando contra o mais legítimo direito humano: o direito à vida.

Curitiba apresenta em sua história um número crescente de ataques ao que usualmente chamamos “minorias”. Mas, na verdade, não se trata de minoria em quantidade, mas no que diz respeito aos enunciados sociais sobre um padrão desejável de pessoas. Quando nos referimos às minorias estamos falando de negros(as), estrangeiros(as), mulheres, lésbicas, gays, bissexuais, travestis e transexuais, pessoas de diversas religiões, setores empobrecidos, imigrantes, como nordestinos(as), entre outras pessoas ligadas à ideologias não dominantes, com estilos, culturas ou posições políticas diversas.

As minorias a que nos referimos, sofrem ataques muito mais freqüentes do que se possa imaginar e passam muitas vezes despercebidos pela população. Em grande parte, estes fatos são tratados com descaso ou mesmo complacência, tanto pelas autoridades que se mantêm perplexas, quanto pela sociedade civil que não se posiciona diretamente no combate sistemático a estas idéias e ações de intolerância.

Os grupos criminosos que cometem esses ataques, se reúnem com a única finalidade de agredir covardemente estas minorias, sempre atacando armados e em grande número alvos mais frágeis, pessoas que se encontram sozinhas e indefesas em nossas ruas. Os ataques se intensificam diariamente a ponto de ocorrerem em plena luz do dia e em locais públicos de grande circulação, como o Largo da Ordem, onde, curiosamente, há alta concentração de policiais e câmeras de segurança.

Esta violência direcionada se expressa das mais diversas formas, como através de cartazes e pichações que exaltam o ódio, através de insultos, xingamentos, assédio moral, perseguições e agressões verbais, culminando em espancamentos e homicídios, que acabam por tentar intimidar e desarticular tais minorias por meio da violência. Além disso, as atitudes cotidianas de violências veladas que acontecem na sociedade, como piadinhas e posturas de fundo discriminatório.

Um ato de ódio irracional que se mantém impune atinge toda a sociedade. E todos somos co-responsáveis se permanecermos omissos. É tempo, portanto, não de nosso silêncio covarde, mas sim de expressarmos nosso repúdio à intolerância. Ações de cunho racista, homofóbico, xenófoba, fascismo e toda forma de discriminação, não devem ser mais permitidas.

Convocamos toda a sociedade curitibana a se somar nessa luta contra o preconceito. Luta esta que não se dará no campo do conflito, esperado por estes grupos, mas sim combatê-los através das idéias, conscientização e de ações e atitudes tolerantes, mostrado definitivamente que a discriminação não é bem vinda. Cabe a cada um de nós deixarmos claro que não iremos aceitar essas idéias e práticas violentas em nossa sociedade.

Respeite a diversidade!!!

maio 22, 2009

maio 22, 2009

abril 17, 2009

ato